segunda-feira, 25 de julho de 2011

DICAS PARA ESCREVER: O primeiro passo mais difícil

Por Eddie Van Feu

Costumo dizer em minhas aulas que há três coisas difíceis para escrever um livro: 

  1. Começar 
  2. Terminar 
  3. Publicar 
Há outras coisas difíceis para o escritor, como sobreviver de direitos autorais, lutar por um espaço na livraria, concorrer com estrangeiros que têm muito mais facilidade que você e lidar com egos enormes de quem já está no mercado. Mas essas três que citei são as piores. Tenho um monte de coisas pra compartilhar com você, as acho melhor começar pelo começo. O passo 1: começar.



Uma folha em branco deve ser um pesadelo para um escritor! Eu não sei, nunca me dei ao luxo de permitir uma folha em branco. O macete está em duas coisas. Uma é já ter pensado antes no que você quer escrever. A outra é ritmo. 

Se você acha que vai sentar e começar a escrever sem ter se dado ao trabalho de pensar antes, terá que ser um bom médium e fazer, pelo menos, uma canalização decente, caso não tenha talento para psicografia. Se não é o seu caso, a folha irá, de fato, ficar em branco. E isso será muito desgastante pra você. Por isso, use o ócio criativo. Deite-se na sua cama, rede ou na grama, ou sente-se em um lugar bonito e então feche os olhos e veja sua história. Veja as cenas, solte a imaginação, não precisa estar em ordem. Faça-se algumas perguntas. Sobre o que você quer falar? Do que trata sua história? Quem são seus personagens? E, mais importante, POR QUE contar essa história? O que você acha que ela vai trazer ao mundo, seja para você, seja para o leitor? 


Algumas pessoas pensam em escrever para ganhar fama e dinheiro. Essas são motivações equivocadas para qualquer profissão. Você deve fazer algo por um motivo mais nobre, mais profundo, mais inefável. Fama e dinheiro serão meras consequências. É preciso que sua história tenha algo a dizer para o mundo. Já conheci pessoas que queriam escrever a história de suas vidas. A menos que você tenha tido uma vida muito, muito, muito interessante, não é um bom lugar para se começar. O engraçado é que se você se dispuser a escrever uma história qualquer, estará, provavelmente, contanto parte da história de sua vida, porque você estará em todo pedacinho de história que contar.

Quando você já tiver um fio de história na cabeça, é hora de começar a escrever. Sente-se e escreva o que lhe vier à cabeça. E aí vem o ritmo. Escreva. Escreva. Escreva. Não importa se está ruim ou bom. Não importa se você saiu do assunto. Solte a mão. Escreva como se dançasse ao som da sua música favorita sem ninguém na sala. Se não gostar, você pode apagar, editar, mudar. Mas é importante que sua página em branco seja preenchida.

Muito bem. Agora você já pode dizer que começou a escrever. Ainda tem um looongo caminho pela frente, mas ao menos você já deu o primeiro passo. Não surte se perceber que sua história mudou, que os personagens assumiram o controle da trama e que nada está saindo como você planejou. Escrever é muito mais mágico do que se pode imaginar. Lidamos com outros mundos e vidas que também parecem fazer suas próprias escolhas.

Espero ter ajudado, nem que seja um pouquinho! Outras dicas estarão ao seu alcance por aqui e espero que um dia você possa me dar um livro seu autografado! E espero que ele tenha mais de uma página.

6 comentários:

†łivrø dαs søмbrαs† disse...

Muito bom o texto!! Sempre que vem a inspiração eu escrevo, seja no PC ou em um caderno que eu guardo... Enfim, ajudou bastante (:

Feeliz dia do Escritoor Eddie (:

Jonathan disse...

Nossa, me ajudou muito mesmo. Quero escrever um livro, ou vários... Mas preciso começar pelo primeiro (risos). Mantenho um blog onde posto textos meus (alguns), a maioria, textos de reflexão e coisas que passam em minha cabeça maluca, experiências minhas, enfim... Não tenho medo de expor o que sinto, por mais que às vezes eu pareça duro demais, ou então piegas demais, acho que isso que é emoção; Às vezes é preciso que nos permitamos nos jogar (tendo cuidado com as pedras... Afinal, uma delas na cabeça não é nada legal). Mas falando sério, acredito mesmo nesta magia de escrever e com isso, querer passar para outras pessoas, um pedacinho de nós, claro que encontraremos alguns que não vão curtir esse pedacinho, outros porém, vão se identificar, mas é assim mesmo.O que importa é ter passado o recado, é ter dito aquilo que você queria dizer, seja na fantasia ou na realidade e quem tiver que gostar, vai gostar porque é você ali, naqueles versos, naquelas linhas. São suas emoções, são seus sentimentos refletidos do lado de fora. Como disse uma vez ALANIS: Eu quero escrever daquilo que sei e sinto, e o que eu não sinto, deixa que os outros escrevam; (Acho que não foi exatamente assim, mas o recado é o mesmo). Vlw Eddie. Bjo empoeirado com o pó da Lua Prateada.

Pedro Thiago disse...

Eu também espero um dia poder mandar o meu livro para você. Tenho o sonho de ser escritor e uma dos autores que me inspira é você.

Aibell disse...

Boas dicas, Eddie. Estou ansioso pra ler Lua Carmesim, já tem previsão de lançamento? Eu imagino como será essa história e ouço Within Temptation (conhece?), acho que tem tudo a ver. Beijo, minha Fada.

@JuhMayumi disse...

Oi, eu amei o seu blog, esse post também está lindo.

Meu blog, o www.seeutivessefeito.blogspot.com! Dá um pulinho se puder! Abraços, parabéns pelo blog!

Patrícia Balan disse...

Ai, que bacana eu ler esse post bem quando levantei da cama com um fio de história na cabeça. Agora tudo o que preciso fazer antes é um bom lanche para não parar no meio por conta da fome, achar uma trilha sonora que me inspire, arrumar o quarto para não ser distraída por qualquer coisa fora do lugar, prender o cabelo de uma maneira que não me machuque, mas que deixe o penteado firme, colocar o despertador para tocar quando for hora de dormir porque eu não quero chegar atrasada na aula amanhã, preparar o material para a aula caso eu me atrase por conta da preguiça de sair da cama, separar a roupa que devo usar amanhã pelo mesmo motivo, separar outra roupa caso o tempo mude, buscar algumas imagens no Google para ajudar na descrição dos personagens, provavelmente mudar a trilha sonora para combinar melhor com os personagens da história, lembrar quais personagens essa história tinha e tentar lembrar que fio de história é esse que eu disse que estava na minha cabeça.